Cantigas de traumatizar


Lembra daquelas cantigas que você cansou de ouvir quando era pequenininho, um ser indefeso, inseguro, em formação e cheio de medos como trovão, fantasmas, Saci, Minotauro, Cuca, mula-sem-cabeça e até palhaço?

Elas com certeza marcaram a sua infância. Eram cantadas pra você na hora de dormir, nas festinhas do colégio, nos teatrinhos e nos LPs - aqueles disquinhos coloridos de colocar na vitrola. Agora me diz: como crescer ouvindo essa trilha sonora sem se tornar neurótico?

Vamos analisar:

Boi, boi, boi
boi da cara preta
pega este menino
que tem medo de careta.

Isso é uma cantiga de ninar? O menino já tem medo de careta. Ao invés de tentarem ajudá-lo a enfrentar o medo, punem o menino incitando o boi a aterrorizá-lo.

Ô, jardineira, por que estás tão triste?
Mas o que foi que te aconteceu?
Foi a Camélia que caiu do galho
Deu dois suspiros e depois morreu.

Se liga na dramaticidade da cena: a pobre Camélia caindo do galho, dando seu último suspiro para desespero da jardineira. Que desgraça...

Ciranda , cirandinha,
Vamos todos cirandar...
O anel que tu me destes,
Era vidro e se quebrou.
O amor que tu me tinhas
Era pouco e se acabou.

A pessoa recebe um anel falsificado, de quinta. Poderia ter sido recompensada com um beijo, um pedido de desculpas. Mas não: ainda perde o seu amor! Afinal, era pouco e se acabou.

Atirei o pau no gato tô tô
Mas o gato tô tô
Não morreu reu reu.

Maravilha! Uma criancinha fofa e inocente, ouvindo essas atrocidades...

O cravo brigou com a rosa,
Debaixo de uma sacada,
O cravo saiu ferido,
E a rosa despedaçada.
O cravo ficou doente,
A rosa foi visitar,
O cravo teve um desmaio,
E a rosa pôs-se a chorar.

Relação supersaudável. Um sai ferido, a outra despedaçada. Depois o maldito fica doente, desmaia e ainda faz a rosa chorar.

Nana neném,
que 
a Cuca vem pegar
papai foi pra roça, mamãe foi trabalhar.

Viu? Pode dormir sossegado, neném. Mamãe não vem, foi trabalhar, e papai está na roça. Você vai nanar sozinho e logo, logo, a Cuca vem pegar. Tranquilo?

Agora junta o boi assustador, a frágil camélia, o anel de vidro de quinta, o gato destroçado, o casal estressado e a criança solitária. Vamos combinar? Dá um prato cheio para o bom e velho Freud... ;-)


Um comentário:

Maria Amália Cursino disse...

Hahahahahahahahahah!!! Isso já foi assuntos em várias ocasiões, com várias pessoas... Adorei, Lu! :D